o blog

O #AgoraÉQueSãoElas surgiu com uma ocupação dos espaços de fala na imprensa em 2015. Durante a Primavera das Mulheres, era inquietante ver que tudo aquilo que estávamos gritando nas ruas e nas redes, não reverberava nos espaços da mídia tradicional, majoritariamente ocupados por homens brancos. Era necessário ocupar, e hackear a narrativa. Foi o que fizemos, durante uma semana. Eu, Manoela Miklos, Alessandra Orofino, Ana Carolina Evangelista e tantas outras ocupamos, viralizamos a ideia e a tag. Tivemos 65 milhões de menções no Twitter, fomos saudadas pela então presidenta Dilma Houssef, e até a bancada do Jornal Nacional nós invadimos, porque no sábado o jornal foi apresentado por duas mulheres (fato que só acontecia no 8 de março).

 

A partir dos resultados desta ação, a Folha de S.Paulo convidou a mim e a Manoela Miklos para fazermos um blog. Decidimos que o blog #AgoraÉQueSãoElas seria curatorial, editado por nós, com o objetivo de multiplicar vozes de mulheres em toda sua diversidade. Foram 5 anos de paixão dedicada, em um processo de fazer que me fazia, um tornar-se feminista, uma luta, uma cura. A medida em que eu pautava e editava outras mulheres, e aprendia com elas. Fomos responsáveis por diálogos impensáveis entre feministas de gerações diferentes. Pautamos o assédio da Su Tonani em escala nacional. Erguemos um espaço de produção de pensamento em alta voltagem que unia mulheres do mainstream à academia, do ativismo à política. Desta escola, nasceu minha profunda parceria e amizade com Manoela Miklos.